Artigos
Rituais de cuidados para manicure durante a pandemia de corona virus

Rituais de cuidados para manicure durante a pandemia de corona virus

Passar aquele tempinho para relaxar e cuidar das unhas das mãos e dos pés é prática de muitas mulheres.

Mas se por um lado os salões de beleza têm um papel fundamental na manutenção de um visual bonito, por outro eles também são um ambiente propício para a contaminação por vírus, bactérias e fungos.

Deixar os pés numa bacia com água morna pode ser suficiente para o desenvolvimento de uma desagradável micose.

Já um simples corte enquanto se tira a cutícula com o alicate pode expor uma pessoa aos vírus da AIDS e da HEPATITE C, por exemplo, que são transmitidos por meio do sangue.

Segundo a Organização Mundial da Saúde, é possível que surjam todos os anos três a quatro milhões de novos casos de hepatite no planeta – uma doença de difícil cura e com altos níveis de contaminação dentro dos salões de beleza.

E o ritmo frenético dos profissionais de manicure e pedicure, que normalmente atendem muitas clientes por dia, pode comprometer uma adequada esterilização dos equipamentos.

Em estudo realizado pela Secretaria de Saúde de São Paulo, foi constatado que um em cada dez profissionais tem hepatite. Mas, na prática, bastam alguns cuidados simples para evitar dores de cabeça:

Leve seu próprio kit ao salão de beleza. Não compartilhar com outras pessoas alguns itens como lixa de unhas e pés, espuma antisséptica, cortadores de unhas e, principalmente, alicates, reduz bastante os riscos de contaminação.

Evite usar bacias. Ou então exija que elas estejam isoladas por um plástico, que deve ser trocado a cada nova cliente.

Converse com quem está cuidando de você. O estudo aponta ainda que apenas 5% dos profissionais usam luvas durante o trabalho, e nenhum costuma lavar as mãos nos intervalos entre clientes.

Você pode indicar o uso do antisséptico do seu kit particular. Além disso, esses profissionais podem ser vacinados gratuitamente contra a hepatite por meio do SUS.

Passar aquele tempinho para relaxar e cuidar das unhas das mãos e dos pés é prática de muitas mulheres. Mas se por um lado os salões de beleza têm um papel fundamental na manutenção de um visual bonito, por outro eles também são um ambiente propício para a contaminação por vírus, bactérias e fungos.

Deixar os pés numa bacia com água morna pode ser suficiente para o desenvolvimento de uma desagradável micose. Já um simples corte enquanto se tira a cutícula com o alicate pode expor uma pessoa aos vírus da AIDS e da HEPATITE C, por exemplo, que são transmitidos por meio do sangue.

O melhor do Abril.com sobre cuidados com as unhas Rituais de beleza para cuidar do corpo em casa. Segundo a Organização Mundial da Saúde, é possível que surjam todos os anos três a quatro milhões de novos casos de hepatite no planeta – uma doença de difícil cura e com altos níveis de contaminação dentro dos salões de beleza. E o ritmo frenético dos profissionais de manicure e pedicure, que normalmente atendem muitas clientes por dia, pode comprometer uma adequada esterilização dos equipamentos. Em estudo realizado pela Secretaria de Saúde de São Paulo, foi constatado que um em cada dez profissionais tem hepatite. Mas, na prática, bastam alguns cuidados simples para evitar dores de cabeça:

Leve seu próprio kit ao salão de beleza. Não compartilhar com outras pessoas alguns itens como lixa de unhas e pés, espuma antisséptica, cortadores de unhas e, principalmente, alicates, reduz bastante os riscos de contaminação. Evite usar bacias. Ou então exija que elas estejam isoladas por um plástico, que deve ser trocado a cada nova cliente. Converse com quem está cuidando de você. O estudo aponta ainda que apenas 5% dos profissionais usam luvas durante o trabalho, e nenhum costuma lavar as mãos nos intervalos entre clientes.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Enviar Mensagem para nossa equipe